Pará Musical
Publicidade texto
Radar Pará  

Mestre Vieira: 50 anos de Guitarradas

Documentário contará a história do pai das guitarradas

Por Vívian Carvalho
Mestre Vieira é o rei da guitarra. Foto: Caio Brito
     Falar com Mestre Vieira na noite em que ele se apresentou no VI Festival Se Rasgum não foi tarefa fácil. Tímido, ele respondeu de maneira lacônica e direta quando perguntado sobre a sua carreira e a trajetória de seus shows.

Também pudera. São tantas décadas se apresentando em vários palcos ao redor do mundo que é difícil comentar sobre isso em poucos minutos de conversa. 

O que poupa nas palavras, sobra de força e energia em suas apresentações. A cada show ficamos impressionados com os virtuosos solos que o “pai” das guitarradas tira de seu instrumento. Não à toa, o show de Mestre Vieira e Os Dinâmicos foi considerado uma das melhores apresentações do terceiro dia do Festival.

Não só pelo público, que rebolou ao som das guitarradas e organizou pequenas rodas de dança, como também pelos jornalistas de importantes veículos de comunicação do país, que estiveram em Belém para cobrir o Festival.

A apresentação de Mestre Vieira está no “top 5” de melhores shows dessa edição do Se Rasgum para os jornalistas Jarmeson de Lima (do Coquetel Molotov), José Flávio Júnior (da Revista Bravo!) e Marcelo Costa (da Scream & Yell).

Além das participações especiais da cantora Iva Rothe, que cantou a música “Mariazinha”, e do guitarrista João Erbetta (SP), que tocou “Melô do Bandolim” e “Pegando corda”, o show foi ímpar por mais um motivo: depois de mais de 25 anos, Mestre Vieira se apresentava novamente com seus antigos companheiros de banda, músicos que tocavam com ele nas décadas de 70 e 80, e que gravaram quase todos os seus 13 LPs.

“Eles tocaram bem, ainda se lembram das músicas”, disse o Mestre depois do show, se referindo a Idalgino Cabral (contrabaixo), Dejaci Magno (vocal) e Luis Poça (teclado). Nesse show, eles foram acompanhados também de Gorayeb (percussão) e Vovô (bateria).

No repertório, uma novidade para o público que está acostumado a ouvir somente as músicas instrumentais de Vieira: canções com letras, compostas pelo próprio Mestre e inspiradas nas lendas Amazônicas e nos animais da floresta.  

Documentário - Joaquim de Lima Vieira, hoje com 77 anos de idade, já conquistou suíços, franceses e alemães. Seus álbuns venderam, ao todo, mais de 300 mil cópias, e seu som contagiante é ouvido em toda a Europa. Também já foi considerado o Rei da Guitarra e da Lambada e, em 2002, foi premiado pelos escoceses e ingleses como o melhor guitarrista do mundo. 

Galera curtindo o show de Vieira. Foto: Thiago Araújo

Apesar dessa brilhante trajetória, a maioria dos paraenses conhece muito pouco sobre a obra do Mestre.

Pensando nisso, a jornalista paraense Luciana Medeiros, que assina o famoso blog de cultura Holofote Virtual, teve a ideia de produzir um documentário contando a história do pai das Guitarradas.

“Em 2008, eu fui à casa do Mestre Vieira, em Barcarena, a convite de um amigo que mora na Vila dos Cabanos, o músico Givaldo Pastana. E, ao visitá-lo, percebi que nós tínhamos uma história que precisava ser contada, que o Mestre merecia um projeto que focasse mais nele e em sua obra. E o melhor do documentário é que ele próprio pode contar a sua história”, disse Luciana Medeiros ao Pará Música, antes do show de “Mestre Vieira e os Dinâmicos”, no Festival Se Rasgum.

O show, aliás, foi uma montagem especial para o documentário e foi todo registrado pela equipe do projeto. “Estamos fechando contrato para levar esse show para outras cidades do país, além de trazê-lo a espaços em Belém. A próxima apresentação será em Barcarena, dia 28 de novembro, e também será registrado para o documentário”, adiantou Luciana.

Denominado “Mestre Vieira – 50 Anos de Guitarrada”, o documentário tem patrocínio da Conexão Vivo, por meio da lei Semear e do Governo do Estado, e terá, ano que vem, a realização de um DVD. O projeto inclui ainda CDs e um site sobre o artista.

No doc, a história de Mestre Vieira está sendo contada por ele mesmo e por meio de entrevistas, narrativas e grandes encontros com outros músicos e guitarristas. Entre as participações, está a de Felipe Cordeiro e Pio Lobato, que vêm se destacando no cenário nacional com o resgate da guitarra com sotaque paraense.

As filmagens de “Mestre Vieira – 50 Anos de Guitarrada” encerram no final do mês de novembro, em Barcarena. A previsão é de que o documentário seja lançado já no ano que vem.

 

25 de novembro, 2011 - 11h50
Nome
E-mail
Mensagem

Comentários (5):

Rita Guimarães

Uma justa homenagem ao mestre paraenses.

Eliene Ribeiro

É...que bem estar viva para vivenciar essa valorização do Mestre Vieira. Lutamos muito por isso e parecia que nunca ia dar certo, mas que bom que está acontecendo...PARABÉNS, Mestre Vieira pelo dom especial!!!

Givaldo Pastana

Finalmente mestre...vc merece meu amigo!

ezequiel oliveira

o trabalho de um grande guitarrista como vieira merece ser reconhecido e bem reconhecido no pará,Brasil e no mundo... É isso aí vieira você merece muito o reconhecimento de cada um paraense.

Iva Rothe

É isso aí! Vieira é o Rei da Guitarrada!


contato@paramusica.com.br

Escreva-nos!

Mensagem